Pokémon Go leva crianças, jovens e até adultos às ruas de Rio Preto
05/08/2016 - 9h51 em Tecnologia

Rio Preto recebeu nesta quinta-feira, dia 4, uma turminha divertida com nomes estranhos: Ash Ketchum, Misty e Brock. O trio protagonista do famoso desenho Pokémon inspirou uma legião de rio-pretenses a ir às ruas com celulares para lançar pokébolas. Sim, o Pokémon Go virou febre em terras de São José.

Quem percorreu as ruas da cidade pôde observar crianças, adolescentes e muitos adultos também correndo atrás dos monstrinhos. A ideia é trazer o desenho animado para realidade aumentada.

O poder de percorrer a cidade em busca de seu pokémon e dizer “Pokébola vai!” ao encontrar um monstrinho é desejo dos fãs do desenho desde a década de 90. O jogo, porém, requer cuidado. Em apenas um dia de funcionamento no Brasil pelo menos três jogadores tiveram seus celulares roubados enquanto jogavam.

 

O alerta vale também para a travessia de ruas e direção de automóvel. Em Curitiba, dois jovens caíram num rio e lago quando tentavam pegar as criaturas. No Paraná, outro foi atropelado. No Rio de Janeiro, o Detran chegou a iniciar uma campanha para evitar acidentes.

Em Rio Preto nenhum acidente havia sido registrado até o final da tarde de quinta. O “point” preferido dos jogadores foi a Represa Municipal. O local concentra alto número de pokémons, tem dois poke stop - áreas em que são oferecidos itens como pokébolas - e um ginásio para batalhas virtuais.

Durante o dia todos os jovens e adultos chegavam no local em busca dos monstrinhos. E enquanto andavam pelo lugar estavam distraídos, alvos fáceis para ladrões.

A Represa tem policiamento feito pela Guarda Municipal, que está orientando os jogadores quanto ao perigo de ficar sozinho com o celular em locais ermos. Em um dos casos, um jogador foi localizado na margem do lago 2, próximo ao espelho d’água.

A parte preferida dos jogadores é uma área gramada no lago 2, em frente ao Ambulatório Médico de Especialidades (AME). Os amigos Edson José Simão, 22 anos, e Ronaldo Marques, 22 anos, vieram de Guapiaçu a Rio Preto apenas para jogar Pokémon Go. “Lá quase não tem. Vamos também em frente à Basílica, no aeroporto e na zona Norte”, disse Edson.

 

A estudante Carolina Costa, 17 anos, além do tênis e da roupa, levou o celular para caminhar na Represa. “Não trago o celular e não sou fã de jogos. Baixei esse e gostei. Até minhas amigas ficaram surpresas”, disse.

Os irmãos Marcelo Ikeda, 17 anos, e Mayumi Ikeda, 9 anos, acompanharam a mãe na caminhada só para caçar os bichos. “Quem é fã do Pokémon espera esse jogo há muito tempo. Todo mundo queria sair na rua para caçar pokémons”, disse Marcelo. A irmã dele não fica para trás e sabe tudo do jogo. “Já capturei vários. É só jogar a pokébola certinho”, disse ela enquanto captura um monstrinho.

Cuidado, jogador

A tenente da Polícia Militar Amália Paci afirma que os jogadores do game Pokémon Go precisam tomar cuidado para não se distraírem.. "O recomendável é usar o celular para participar do jogo, mas em lugares fechados, ou com muitas pessoas. Porque estão em alta os furtos e roubos de celulares em Rio Preto. Não pode facilitar, porque os ladrões podem se aproveitar da empolgação dos jovens”, disse.

Para Adriano Mauro Cansian, especialista em cibersegurança, as pessoas precisam tomar cuidado também quando baixarem o jogo. " Só pode baixar o jogo das lojas oficiais da Apple Store e Play Store Android. Não deve pegar de sites, de emails ou de terceiros. Não acredite em mensagens e links que venham por aplicativos de mensagens e redes sociais, porque podem estar com vírus”, alertou ele.

Também pensando na segurança dos jogadores, o governo de São Paulo divulgou alerta para as pessoas não participarem da caça aos monstrinhos enquanto dirigem veículos, para evitar acidentes. Pede-se também que motoristas não parem em acostamento das rodovias.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!